BNB

quinta-feira, 16 de março de 2017

Empresa alemã arremata leilão do aeroporto de Fortaleza

O leilão dos aeroportos de Fortaleza (CE), Salvador (BA), Florianópolis (SC) e Porto Alegre (RS) garantiu ao governo uma arrecadação de R$ 3,72 bilhões em todo o período da concessão, cerca de 23% acima do valor esperado pelo governo de R$ 3,014 bilhões. O ágio está bem abaixo dos valores praticados nas primeiras rodadas de concessão de aeroportos.
Os lances mínimos foram fixados com base em 25% do valor da outorga e esses valores terão que ser pagos no momento da assinatura do contrato. O governo garantiu uma arrecadação para esta etapa no valor de R$ 1,46 bilhão, o que representa um ágio de quase 100% sobre o mínimo estabelecido pelo edital (R$ 753 milhões).
Confira os vencedores:
Fortaleza: Fraport AG Frankfurt Airport Services (alemã).
Salvador: Vinci Airports (francesa)
Florianópolis: Zurich International Airport AG (suíça)
Porto Alegre: Fraport AG Frankfurt Airport Services (alemã)
Com apenas três grupos participantes, a concorrência foi menor do que nas rodadas anteriores. No leilão dos aeroportos de Galeão e Confins, 5 consórcios participaram da disputa. Já no leilão de Guarulhos, Brasília e Campinas, foram 11 concorrentes.
Mesmo assim, o pregão viva-voz foi marcado por disputas entre os grupos interessados. O consórcio alemão liderado pela Fraport foi o grande vencedor do leilão ao levar os aeroportos de Fortaleza e Porto Alegre.
O leilão foi tratado pelo mercado como primeiro grande teste de atratividade do programa de concessões na área de infraestrutura do governo Michel Temer. A estimativa é que os quatro aeroportos juntos gerem R$ 6,613 bilhões em investimentos ao longo do período de concessão.
Pelas regras do leilão, os vencedores terão de desembolsar no momento da assinatura dos contratos 25% do valor da outorga, mais o ágio (diferença entre o preço mínimo e lance final). O restante será dividido em pagamentos anuais.
Para tornar as concessões mais atrativas, o governo decidiu tirar a exigência da participação da Infraero nos consórcios (a estatal é sócia em 5 aeroportos concedidos com 49% de participação) e de pagamento de outorga nos 5 primeiros anos de concessão.
(G1)